3 atividade - tele jornal

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

3 atividade - tele jornal

Mensagem  Admin em Qua Mar 02, 2011 11:28 am

Em duplas ou no máximo em três alunos devem pesquisar uma reportagem/noticia sobre quimica ou fisica ou na area de meio ambiente e adaptar para ser apresentado em tele jornal em sala de aula. A reportagem deve ser copiada e colada no forum e toda a adaptação feita no forum.

Admin
Admin

Mensagens : 6
Data de inscrição : 11/02/2011

Ver perfil do usuário http://saoroque.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

tele jornal

Mensagem  edson gu em Sex Mar 11, 2011 11:06 am

Alvo de tsunami ano passado, Chile lança alerta após tremor no Japão.

O Chile lançou nesta sexta-feira (11) um alerta preventido de tsunami para todo o seu litoral, depois do terremoto de magnitude 8,9 que atingiu a costa japonesa. O Ministério do Interior pediu calma à população.

No ano passado, um tsunami que se seguiu a um terremoto de magnitude 8,8 provocou mortes e destruição no país.

Rodrigo Ubilla, subsecretário do Interior, afirmou que a primeira onda chegaria ao território chileno às 20h55 GMT (17h55 de Brasília), na Ilha da Páscoa, território

As providêncis para evacuar as regiões costeiras da ilha começariam ao meio dia local.

Imagem divulgada pelas autoridades meteorológicas dos EUA mostra a previsão de como o tsunami vai viajar pelo Oceano Pacífico nesta sexta-feira (11). O tremor ocorreu às 14h46 locais, 2h46 de Brasília. Rolling Eyes

edson gu
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

tele jornal

Mensagem  edson gu em Sex Mar 11, 2011 11:14 am

Alvo de tsunami ano passado, Chile lança alerta após tremor no Japão.

O Chile lançou nesta sexta-feira (11) um alerta preventido de tsunami para todo o seu litoral, depois do terremoto de magnitude 8,9 que atingiu a costa japonesa. O Ministério do Interior pediu calma à população.

No ano passado, um tsunami que se seguiu a um terremoto de magnitude 8,8 provocou mortes e destruição no país.

Rodrigo Ubilla, subsecretário do Interior, afirmou que a primeira onda chegaria ao território chileno às 20h55 GMT (17h55 de Brasília), na Ilha da Páscoa, território

As providêncis para evacuar as regiões costeiras da ilha começariam ao meio dia local.

Imagem divulgada pelas autoridades meteorológicas dos EUA mostra a previsão de como o tsunami vai viajar pelo Oceano Pacífico nesta sexta-feira (11). O tremor ocorreu às 14h46 locais, 2h46 de Brasília. Rolling Eyes

Logo após o tremor, um alerta para ondas de até seis metros de altura havia sido emitido no país. O Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico, agência americana, também emitiu um alerta para toda a costa pacífica, exceto EUA e Canadá continentais, de onda de até dez metros.

A agência de gerenciamento de desastres do Japão afirmou que pelo menos 32 pessoas morreram no país. Ainda não havia informações sobre vítimas brasileiras, segundo o embaixador do Brasil no país.

As vítimas incluem um homem de 67 anos, esmagado por uma parede, e uma idosa, atingida pelo teto da própria casa, que desabou, ambos na região de Tóquio. Outras três pessoas morreram soterradas dentro de casa em Ibaraki, a nordeste da capital.

A Agência Nacional de Polícia, entretanto, afirmou que ainda não é capaz de confirmar o balanço de mortos.

O tremor teve epicentro no Oceano Pacífico a 130 km da península de Ojika, a uma profundidade de 24 km.

Premiê pede calma
O abalo, que ocorreu às 14h46 (hora local, 2h46 de Brasília), foi seguido até o momento por pelo menos outros 33 fortes tremores de magnitude superior a 5, segundo o USGS, agência americana que monitora e estuda tremores pelo mundo. O governo japonês emitiu um alerta sobre o risco de fortes réplicas.

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, qualificou como "grandes" os danos causados pelo abalo, mas não deu informações sobre vítimas. Kan pediu "calma" à população. Ele estava no Parlamento na hora do tremor.

11/03/2011 03h06 - Atualizado em 11/03/2011 07h57

Forte terremoto atinge a costa nordeste do Japão e gera tsunami
Abalo teve magnitude 8,9 e foi seguido de muitos tremores secundários.
Ao menos 32 morreram no país, e Pacífico teme ondas gigantes.
Do G1, com agências internacionais

imprimir
Um terremoto de magnitude 8,9 atingiu nesta sexta-feira (11) a costa nordeste do Japão, segundo o Serviço Geológico dos EUA (USGS), matando ao menos 32 pessoas e gerando um tsunami que ameaça países da costa do Oceano Pacífico.

O tremor foi o 7º pior da história, segundo a agência americana,

Imagens de TVs locais mostram que o abalo gerou um tsunami (onda gigante) , que alcançou áreas da cidade de Sendai. Carros e barcos foram arrastados.

Logo após o tremor, um alerta para ondas de até seis metros de altura havia sido emitido no país. O Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico, agência americana, também emitiu um alerta para toda a costa pacífica, exceto EUA e Canadá continentais, de onda de até dez metros.

A agência de gerenciamento de desastres do Japão afirmou que pelo menos 32 pessoas morreram no país. Ainda não havia informações sobre vítimas brasileiras, segundo o embaixador do Brasil no país.

As vítimas incluem um homem de 67 anos, esmagado por uma parede, e uma idosa, atingida pelo teto da própria casa, que desabou, ambos na região de Tóquio. Outras três pessoas morreram soterradas dentro de casa em Ibaraki, a nordeste da capital.

A Agência Nacional de Polícia, entretanto, afirmou que ainda não é capaz de confirmar o balanço de mortos.

O tremor teve epicentro no Oceano Pacífico a 130 km da península de Ojika, a uma profundidade de 24 km.

saiba mais

VC no G1: Está no local? Mande sua foto, seu vídeo ou seu relato
Leitores testemunharam; leia relatos
Veja galeria de fotos
Veja vídeos
Tsunami pode 'varrer' ilhas do Pacífico, diz Cruz Vermelha
Veja a rota prevista do tsunami
Vítima de tsunami ano passado, Chile lança alerta
Premiê pede calma
O abalo, que ocorreu às 14h46 (hora local, 2h46 de Brasília), foi seguido até o momento por pelo menos outros 33 fortes tremores de magnitude superior a 5, segundo o USGS, agência americana que monitora e estuda tremores pelo mundo. O governo japonês emitiu um alerta sobre o risco de fortes réplicas.

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, qualificou como "grandes" os danos causados pelo abalo, mas não deu informações sobre vítimas. Kan pediu "calma" à população. Ele estava no Parlamento na hora do tremor.

O terremoto sacudiu com força os edifícios de Tóquio. Alarmes foram disparados nos prédios, houve correria, e as linhas telefônicas ficaram bloqueadas.

O Shinkansen, o trem-bala da capital japonesa, e os dois principais aeroportos ficaram temporariamente fechados.

As autoridades japonesas pediram aos moradores da capital que fiquem no centro da cidade e não tentem chegar a suas casas se vivem nos arredores

A rede TBS mostrou um prédio em chamas na ilha futurística de Odaiba, na capital japonesa.

Um aviso de ondas gigantes foi emitido pelo Centro de Alertas de Tsunami do Pacífico após o terremoto. O alerta foi dado para Austrália, Nova Zelândia, Polinésia e países do litoral oeste do continente americano.

Alertas
As Filipinas ordenaram a retirada de milhares de cidadãos na costa oriental do terço norte do país pelo risco de um tsunami gerado no Japão atingir a região.

Segundo o Instituto Filipino de Vulcanologia e Sismologia (Philvolcs), a onda gigante chegará ao litoral leste da ilha de Luzon entre 17h e 19h do horário local (6h e 8h de Brasília).

Nova Zelândia, Taiwan e a ilha de Guam também emitiram alertas.



edson gu
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

adriana camila debora jussara e maristela

Mensagem  Adriana em Sex Mar 18, 2011 11:05 am

Exército combate catástrofe nuclear
Hoje


Autoridades japonesas lutam contra o tempo para evitar explosões na central Fukushima
Fotografia: AFP
Helicópteros do exército japonês conseguiram ontem, pela primeira vez, lançar jactos de água sobre os reactores mais danificados da central nuclear de Fukushima, no nordeste do Japão, para os arrefecer, informaram as autoridades.
O objectivo era encher a piscina de combustível usado que foi danificada por uma explosão e uma série de incêndios. A empresa Tokyo Electric Power (Tepco) informou que não tinha condições para determinar a quantidade de água que entrou na piscina, uma vez que os funcionários não conseguiam observar o local.
Especialistas estrangeiros consideram que a piscina do reactor quatro está praticamente seca, o que pode provocar níveis “extremamente elevados” de radiação, segundo o presidente da Autoridade Americana de Regulamentação Nuclear (NRC), Gregory Jaczko.
A fusão do combustível pode provocar a emanação de partículas radioactivas, provocando assim uma catástrofe como a de Chernobyl.
Os funcionários da Tepco, que opera a central de Fukushima, ajudados por bombeiros e polícias, pretendiam alcançar a piscina com a ajuda de um camião cisterna equipado com um canhão d’água. Mas, segundo a televisão pública NHK, isso não foi possível devido ao nível elevado de radiação.
A Tepco espera restabelecer nas próximas horas a corrente de energia eléctrica da central, para permitir activar as bombas de arrefecimento dos reactores e encher as piscinas. Os sistemas de refrigeração falharam na sexta-feira, depois do terramoto de 9 graus de magnitude, o mais forte da história do Japão, seguido por um tsunami que devastou a costa nordeste do país. O Presidente norte-americano, Barack Obama, ofereceu o envio de mais especialistas nucleares para o Japão, em conversa telefónica com o Primeiro-Ministro japonês, Naoto Kan.
A França também propôs uma cooperação.O Instituto Francês de Radioprotecção e Segurança Nuclear (IRSN) afirmou na quarta-feira que as 48 horas seguintes seriam cruciais.

Saída massiva de estrangeiros

Diante da ameaça de um acidente nuclear de grandes proporções, muitas embaixadas recomendaram aos seus cidadãos que se afastem da região e sigam para sul, na área de Osaka, ou que deixem o Japão.
A Grã-Bretanha, a Alemanha, a Suíça, a Itália e a Austrália também aconselharam os seus cidadãos a deixarem o norte e a região de Tóquio. A França, a Bélgica e a Rússia vão enviar aviões para retirar as pessoas que desejam deixar o Japão.O Governo da China pediu às autoridades nipónicas informações “pontuais e precisas”, para acalmar a opinião pública preocupada com a eventual chegada ao país de emissões radioactivas.
A embaixada norte-americana estabeleceu uma zona de risco de 80 km ao redor da central nuclear.
As autoridades japonesas fixaram até ao momento um perímetro de segurança de 30 km, e o Governo afirmou que as radiações além da zona de exclusão de 20 km “não representam perigo imediato para a saúde”.
Por precaução, 10.000 pessoas do município de Fukushima serão submetidas a testes de radioactividade em 26 centros médicos.

Serenidade e disciplina

Enquanto no exterior reina uma inquietação que se aproxima do pânico, a população nipônica, sobretudo em Tóquio, mostra-se surpreendentemente serena e disciplinada, à espera de novas instruções do Governo. Espera-se que os ventos continuem a ser favoráveis nas próximas horas, empurrando para o Oceano Pacífico os resíduos radioactivos da central nuclear.
Um frio intenso e a queda neve reduziram ainda mais as condições de vida e de trabalho para os 500.000 desabrigados do terramoto e do tsunami e dos 80.000 socorristas mobilizados no nordeste.
Para piorar a situação, um corte de energia eléctrica em grande escala pode afectar a região leste do país caso o consumo não seja reduzido, advertiu o Ministério da Indústria.
No campo econômico, o iene atingiu um novo recorde desde a Segunda Guerra Mundial na comparação com o dólar. Os investidores especulam sobre um eventual repatriamento em massa de fundos pelas seguradoras japonesas.

Sobe o número de mortos

O balanço oficial do terremoto e tsunami, seis dias depois da catástrofe, chegou a 5.178 mortos e 8.606 desaparecidos. Mas apenas na cidade de Ishinomaki, o número de desaparecidos alcança 10.000 pessoas, segundo autoridades locais.O número de feridos é de 2.285, enquanto mais de 88.000 casas e edifícios foram destruídos, total ou parcialmente.
As autoridades nipônicas também precisam enfrentar a crescente impaciência de 500.000 desabrigados, ante a escassez de água potável e alimentos, apesar da mobilização sem precedentes de 80.000 soldados, polícias e socorristas no devastado nordeste.
A maior preocupação é a crise nuclear, a mais grave no planeta desde Chernobyl (Ucrânia, então URSS), em 1986.



Twisted Evil

Adriana

Mensagens : 1
Data de inscrição : 04/03/2011

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Minas Gerais

Mensagem  Débora P em Sex Mar 18, 2011 11:12 am

A exploração de carvão para siderurgia fez com que o Estado de Minas Gerais se tornasse o líder do desmatamento na mata atlântica entre 2008 e 2010.

No período, foram desmatados 20.867 hectares. Houve queda na média do desmatamento no período, embora Minas tenha aumentado sua derrubada em 15% (12.524 hectares) e o Rio Grande do Sul, em 83% (1.897 hectares).

Em Santa Catarina, tradicional Estado campeão do desmatamento, a derrubada caiu em 75%, apesar da implementação de um código ambiental estadual que permite a redução das áreas de proteção permanente. Segundo Flávio Ponzoni, do Inpe. As chuvas fortes que afetaram o Estado em 2008 são provavelmente a causa da diminuição.

cat pig clown Suspect What a Face No alien pirat

Débora P
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: 3 atividade - tele jornal

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum